Up or down
"Metade da temporada" já se foi e temos nossas surpresas e decepções da NHL.
01-02-2017
Escrito por: Rafael Carvalho
Compartilhe

Oficialmente já passamos da metade da temporada regular, porém, devido aos protocolos o All Star Game serve como uma maneira de "marcar" a chegada da metade da disputa. Vinte das trinta equipes neste momento inclusive já ultrapassaram a marca de 50 jogos disputados até presente data.

Isso significa que, então já temos uma certa noção do que equipes "x" ou "y" brigarão a partir desde marco de meio de tempo – mesmo que já tenha ficado para trás algum tempo – e, também quais das trinta equipes estão seguindo o roteiro esperado antes mesmo do inicio da temporada e também aquelas que estão deixando a desejar e sendo grandes motivos de preocupações para seus torcedores.

Pois então, faremos uma listagem de quais equipes estão fazendo jus as expectativas e aquelas que estão bem longe disso. Para facilitar – nosso trabalho – e seu entendimento, isso será feito separadamente por divisão de qual modo também a sua visão sobre a mesma ficará mais nítida a partir de então.

Lá vamos nós...

Divisão Metropolitana

Surpresa: Dezembro de 2016 – Este fora (talvez) o mês mais importante da história do Columbus Blue Jackets. A equipe de Ohio ganhou todos os 14 jogos que disputou, incluindo goleadas de 6x2 sobre o New York Islanders e 7x1 simplesmente diante o atual campeão da Stanley Cup, Pittsburgh Penguins.

Liderados por Cam Atkinson (líder da equipe com 46 pontos: 24 gols e 22 assistências) e Sergei Bobrovsky (GAA: 2.10), save% .929 e 28 vitórias, os Jacks estão caminhando a passos largos para os playoffs.

Contra tudo e contra todos!



Decepção: A 5ª posição na briga pelo wild card poderia ser bem mais desastrosa para o New York Islanders. A equipe do Brooklyn neste momento está meros 5 pontos de uma vaga nos playoffs, ficandoa atrás do Philadelphia Flyers, mas este não é o ponto.

Os liderados de John Tavares recentemente perderam seu treinador Jack Capuano após sete temporadas depois de vir de suas melhores campanhas na temporada com 101 pontos em 2014-15 e 100 em 2015-16. Como isso não bastasse, o starter goalie da franquia, Jaroslav Halak, que tinha 6 vitórias em 21 jogos, GAA acima de 3 e save% de .904, foi colocado on waivers pela equipe no dia 30 de dezembro.

O caminho parece ser árduo com os Isles daqui pra frente...

Divisão Atlântica

Surpresa: A vaga para a pós-temporada ainda não veio - pode ser que nem venha -, mas certamente o Toronto Maple Leafs tem a torcida de (quase) todos os amantes da NHL para conseguir tal feito. O furacão Auston Matthews (39 pontos em 48 jogos) – sem alusão ao furacão, por favor –, parece estar jogando com a equipe há alguns anos não sentindo o peso de ser a última 1st pick do draft passado.

Além de Matthews outras jovens promessas como Mitchell Marner (41 pontos: 12 gols e 29 assistências), Willian Nylander (31 pontos: 10 gols e 21 assistências), Connor Brown (21 pontos: 10 gols e 11 assistências), Zach Hyman (21 pontos: 7 gols e 14 assistências) e Nikita Zaitsev (20 pontos: 1 gol e 19 assistências), deixam cada vez mais empolgado os torcedores que vão ao Air Canada Centre.

É continuar o trabalho e Mike Babcock devolverá os dias de glórias à Toronto.

Decepção: Era notório que cedo ou tarde o Detroit Red Wings caíria de produção e a sequência de aparições seguidas nos playoffs iria acabar e, isso pode acontecer nessa temporada. Outro ponto nisso tudo era que a equipe sentiria também cedo ou tarde a saída de Pavel Datsyuk, um dos maiores jogadores de sua história.

Tudo isso é um caminhão de emoções para a equipe de Michigan, culminado também com a saída de Babcock na temporada passada. A Joe Louis Arena, que está em sua temporada de despedida e sempre foi um caldeirão fervendo onde todo mundo temia jogar, hoje isso não acontece mais e são apenas 10 vitórias e 15 derrotas dos Wings jogando em seus domínios.

Dylan Larkin, que foi uma das mais gratas surpresas da equipe na temporada passada, até o momento não ultrapassou a casa dos 18 pontos. Os recém chegados Thomas Vanek e Frans Nielsen ficam além do esperado e Petr Mrazek que tinha tudo para se consolidar como goleiro 1 da equipe vive inferno astral sua marca de mais de 3 gols sofridos por jogo em média e um pra lá de pífio .894 de percentual de defesas feitas.

A sequência pode estar chegando ao fim – uma pena.



Divisão Central

Surpresa: A Divisão Central da NHL, após o realinhamento ficou uma das mais complicadas de se vencer na liga. O Chigaco Blackhawks se tornou o grande dono da mesma e rivais as vezes conseguia assustar o bom e velho índio. St Louis Blues teva lá sua chance, Dallas Stars, tal como o Nashville Predators, mas agora, quem anda dando as cartas por aquelas bandas é o Minnesota Wild mesmo com 3 jogos a menos que o mesmo Blackhawks.

O Wild não chega ser uma surpresa estupenda, visto que, uma vaga nos playoffs a equipe vinha arrancando sempre que possível, mas sempre brigando pelo wild card e aos trancos e barrancos, mas agora a conversa é outra. Com o 4º melhor ataque da liga com uma média de mais de 3 gols por jogo e uma defesa sólida que sofre em média 2.22 gols por jogo, o que da o título de segunda melhor defesa da liga, gera um equilibrio pra lá de satisfatório das unidades, o que explica a atual posição da equipe também como segunda melhor de toda a liga com 71 pontos em 49 jogos disputados.

Eric Staal caiu na equipe de St. Paul como uma luva e ao lado de Mikael Granlund são os dois principais pontuadores da equipe nesse momento. No gol, Devan Dubnyk trás consigo uma média de 1.88 gols sofridos por jogo e save% de .936. - E olha que Zach Parise ainda nem acordou.

Bruce Boudreau chegou para ficar no State of Hockey.



Decepção: Poucos paragrafos acima citei que o Dallas Stars teve lá sua chance de reinar na divisão, mas aparentemente isso não irá acontecer nessa temporada, mesmo ainda estando com grandes possibilidadades de conquistar sua vaga para a pós-temporada via repescagem, mas esse não era o planejamento antes do inicio da temporada.

Com os veteranos Jason Spezza e Patrick Sharp perdendo muito tempo por lesões, o em tese potente ataque da equipe texana não passa do 12º melhor até o momento com 2.76 gols marcados por partida. Números que não são de todos ruins, mas com uma defesa sofrível que leva 3.12 gols por jogo (4ª pior) fica complicado balancear tudo isso e brigar head to head com os rivais da parte de cima da tabela.

Kari Lehtonen e Antti Niemi acumulam números pra lá de medíocres na meta da equipe. Os netminders acumulam .902 de save% e GAA de 2.80 (Lehtonen) e Niemi com .900 e uma média de 3.20 gols sofridos por jogo.

Não está nada fácil no Texas.

Divisão Pacífica

Surpresa: Parece que finalmente o Edmonton Oilers está colhendo os frutos de ter draft após draft 1st picks e mais precisamente dizendo Connor McDavid já é a realidade da equipe. Tanto que ganhou o cargo de confiança do treinador Todd McLellan na offseason e veio cheio de gás para a temporada. Não por menos, "McJesus" é o principal pontuador da liga com 59 pontos.

Mas nem só de ataque vive a equipe de Edmonton, atualmente a equipe tem a 7ª melhor defesa com uma média de 2.51 gols sofridos por jogo. Milan Lucic finalmente deu conseguiu reencontrar o seu bom e velho hóquei dos tempos de Boston Bruins e vem fazendo o que sabe fazer de melhor: Bater, proteger e pontuar. Adam Larsson, que veio contestado dos Devils após a troca envolvendo Taylor Hall, faz parte dessa boa defesa ao lado de Andrej Sekera e Oscar Klefbom. Com 26 vitórias em 45 jogos disputados, Cam Talbot também vem repetindo a boa fase que parecia ter esquecido no New York Rangers.

Dias de lutas, dias de glórias.



Decepção: Vivendo um pouco do que viveu os Oilers alguns anos atrás, o Arizona Coyotes mesmo não tendo conseguido muita coisa na temporada passada, deixou um gostinho de que iria conseguir fazer alguma coisa nessa temporada com tantas promessas ingressando a temporada com um pouco mais de experiência, mas não vimos isso.

Max Domi no final do ano passado lesionou a mão na qual acarretou em uma cirurgia e interrompeu a boa sequência de 26 jogos e 16 pontos. Anthony Duclair fez os torcedores dos Rangers roer unhas de raiva vê-lo voando baixo na temporada passada e depois disso, 41 jogos nessa temporada e 9 pontos. Resultado: Foi mandado para a AHL.

Com um power play que não engrena (6º pior com 15,2%) e um penalty kill que não assusta ninguém (5º pior, 77,2%) fica difícil sonhar com algo que não seja o fundo do poço. Digo aqui, ninguém esperava uma Stanley Cup, mas apenas uma nova vida no Arizona.

Expectativas são uma m...

O próximo dia 1 de março marca o trade deadline e com a expansão da chegada da franquia de Las Vegas, não se assuste se todo este cenário acima mudar drasticamente.

Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as para saber o que é impróprio ou ilegal.